segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Dias de Tortura #001

Boa tarde central, estou encaminhando em anexo ao meu relatório da ultima encruzilhada, vestígios que nosso suspeito deixou para trás: Um diário muito suspeito, estou encaminhando a primeira parte que encontrei e continuo atrás de mais pistas.

Segue:


"Diário de um Ser Urbano – Dia 1


Acordei às sete horas da manhã, aquele maldito despertador me acordou. “Porra”, eu pensei, não irei dormir tão tarde da próxima vez. Coloquei uma roupa quente, estava frio pra caralho e a última coisa que eu queria era ficar tremendo ao sair de casa. Enquanto minha cafeteira fazia o café, me dirigi até o banheiro e vi aquela imagem imunda de mim. Por que seria diferente? Tudo que me sobrara era viver com aquela maldita pensão que chegava todo início de mês, e ao decorrer do terceiro mês, naquele apartamento de quarto e banheiro, eu estava um caco.

Caminhei lentamente pelas sombras, mais um dia de verão normal. Logo me veio na mente: “fodeu, esse sol já indica que irei me arrepender de ter vindo de casaco”. Me mudei há pouco tempo e, em virtude disto, estava sedento de vontade de conhecer novos lugares, pessoas e tudo mais. Dobrei a esquina entre a Av. Madre Paulina com a Beira Rio e continuei minha andança pelo centro daquela cidade. Fui notando as pessoas, como eram diferentes de mim, me olhavam estranho e, de certa forma, me senti feliz por isso...

                Agora a pouco, antes de voltar para casa da merda do trabalho, fui ao supermercado e, ao voltar, já embriagado de seis latinhas de Devassa, me deparei com uma curiosa cena: assisti a uma briga, três mulheres, todas na posse de facas, amedrontavam um garoto de uns dezessete anos. Primeiramente acreditei ser um cliente que não quis pagar pelo serviço (e mermão eu ri pra caralho), porém logo notei que se tratava realmente de algum acerto de contas, um cara que brincou com a garota errada. “Acho que tenho que tomar cuidado nessa cidade.”

                Cheguei em casa, me dispus neste sofá e comecei a usar o notebook enquanto via qualquer porcaria na tv, sei lá por que, tudo que me interessava era a pornografia que eu ia acessar.

                Depois, repensei o motivo de ter me mudado. Além de ter passado para uma boa faculdade, eu precisava sair daquele lugar. Caso não houvesse mudado, estaria cobrando algo, como aquelas putas estavam, de seres humanos malditos que insistiram em me decepcionar.

                Bom, acho que me fodi, além de minha péssima aparência, esta mudança de temperatura durante o dia me deixa deplorável. Manhãs frias e tardes quentes. Que bosta, meu nariz escorre feito uma cachoeira de merda.

Eu acredito que será bom escrever este diário, quem sabe um dia, no futuro, poderei até publicar. Minhas memórias de pobre ser urbano.


                                                                             
Cidade de Ninguém, 01/04/2013 03:37AM"

Encerrando relatório.

 


Este é um texto fictício, obra escrita e idealizada por mim, Agente Chile, e será um projeto dividido em 7 semanas, sempre postado na segunda feira.

Espero que gostem.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivo Confidencial

Parceiros